top of page

Vale do Loire, França

Atualizado: 21 de mar. de 2022

Roteiros maravilhosos, a duas horas de trem de Paris!

Embarque nessa viagem extraordinária!


Château Azay le Rideau

Começamos a planejar essa trip com um casal de amigos queridos, com intuito de oferecer aos nossos adolescentes experiências diferentes. As ideias foram tomando forma...pedaladas, picnics, descobertas…


O Vale do Loire, na França, foi o roteiro que escolhemos para essa pedalada de 8 dias. Um cenário fascinante, passando por cidades encantadoras e visitando castelos incríveis.


Chegando em Paris pegamos um trem até Beaugency, ponto de partida de nossa pedalada. Após uma viagem de 2h, desembarcamos nessa cidadezinha cheia de histórias, onde Joana D’Arc e seu exército venceram uma importante batalha contra os ingleses em 1429.


Ao chegar a estação no final do dia, seguimos direto para nossa estada, uma casa arejada, simples e aconchegante. Com a simpatia que se pode encontrar fácil no interior da França, nossos anfitriões nos esperavam para entrega das chaves.


Depois de um banho merecido, saímos a pé para conhecer a cidade que nos acolhia em nossa primeira noite no vale do Loire!


O charme do centro histórico e suas ruas estreitas nos encantou de imediato... tudo parecia mágico!


Sem planejar nenhum roteiro fomos seguindo, e a cada esquina descobríamos mais tesouros. Conhecemos a Torre Saint Firmin, a torre do relógio, o castelo de Beaugency, abadia Notre-Dame com seus imponentes arcos e a Torre César Donjon do século XI.





No dia seguinte, logo depois do café da manhã reforçado, fomos com energia e entusiasmo até a agência de turismo pegar as bicicletas já reservadas para essa trip.


Alforjes instalados nas bikes, picnic preparado para o caminho e casa pronta para entrega. Enfim lá fomos nós… com muita animação e expectativa.





Rumo à Blois.

Seguindo as placas indicativas, entramos num caminho rural cruzando plantações de trigo, milho e campos de girassóis. De vez em quando, passando por pequenos vilarejos.

Durante todo o trajeto esse cenário se repetia, alternando entre generosas sombras e sol a pino. Portanto, chapéu, filtro solar e muita água foram indispensáveis!







No caminho para Blois fizemos um importante desvio para Chambord, a fim de conhecer o maior e mais majestoso castelo do Loire. Nesse desvio nos perdemos um pouco, pegando um pequeno trecho sem ciclovia e uma subida inesperada, mas logo encontramos o caminho certo. E o melhor, chegamos a Chambord pela floresta, como os cavaleiros da época e por onde o rei François I chegava em seu imponente castelo de caça, símbolo de sua riqueza e poder.



Château de Chambord


O ponto alto desta fortaleza é a famosa escadaria em espiral dupla, que permite que as pessoas subam e desçam por rampas geminadas sem que se cruzem. Projeto atribuído ao gênio Leonardo da Vinci.




Esse imponente castelo está rodeado por um parque de 5 mil hectares que pode ser visitado, com trilhas guiadas para observação de animais como javalis e veados.


Extasiados com tanta beleza, porém cansados pela pedalada e pelo sol, resolvemos descansar e fazer nosso delicioso picnic no gramado em frente, e assim apreciar sua arquitetura renascentista em perfeito equilíbrio!


Blois...


Com a tarde já caindo entramos em Blois, depois de uma pedalada de 45 km desde Beaugency! Aqui valeu muito ter reservado duas noites para conhecer com calma seu entorno. A começar com uma bela recepção, o festival de “Des Lyres d'été”,que contarei em breve, a beira do Loire. Realmente bastante auspicioso!

Como o dia foi intenso e todos estavam bem cansados, resolvemos curtir essa linda festa na tarde seguinte.

Fomos então direto ao apartamento: banho, vinho, um delicioso e divertido jantar e... cama.


Vista do nosso apartamento em Blois

Durante os 8 dias viajando pelo vale do Loire, alugamos casas ou apartamentos, o que nos deu uma economia e autonomia nas refeições e momentos de relaxamento.

Acordamos com um dia lindo e ensolarado. Como a pedalada do dia anterior foi um pouco cansativa para as crias, eles pediram day off e nós consentimos.

Mas nós adultos queríamos mais, logo saímos cheios de energia para pedalar e explorar os arredores!


Com o passeio definido, seguimos por um caminho atraente e arborizado. Foram 16,4km de paisagem inspiradora até a pequena Cheverny e seu célebre castelo, lugar de inspiração para Hergé escrever as famosas aventuras de Tintim.



Castelo de Cheverny





Voltamos ao apartamento no início da tarde, então aproveitamos para fazer uma siesta e descansar, recarregando as baterias. E logo no final do dia, ainda com o sol alto, saímos todos para circular pela bela Blois que foi aos poucos se mostrando um museu a céu aberto. Passamos pelo Château Royale do século XIII, a Maison de la Magie, a basílica...


...e terminamos à beira do Loire curtindo “Des Lyres d'été”, um festival de verão que acontece em Blois entre junho e setembro; Uma festa aberta à mistura musical e às culturas do mundo. Uma alegria contagiante, regado a cervejas e vinhos locais e música boa.


Banda: L'affaire Capucine


Banda: Jeremy sans famille

Depois de uma noite festiva e um descanso merecido, acordamos bem cedinho e organizamos nossa saída, seguindo para Chaumont-sur-Loire, nosso próximo pouso, 22km adiante.


Pedalamos no vale do Loire em pleno verão europeu, tivemos sorte com o tempo firme e sol até as 22h, mas é recomendável ter na mochila um anorak, para uma eventual mudança de tempo. O caminho além de bonito, é agradável e reveza-se entre áreas sombreadas e descobertas.

Chegamos em Chaumont-sur-Loire no início da tarde. Enquanto aguardávamos o horário do check-in de nossa casa, encontramos uma área de picnic à beira do Loire onde nossos pequenos ( não tão pequenos) ficaram confortavelmente descansando. Nós meninas ( não tão meninas...rsrs) entramos numa degustação de vinho que estava acontecendo em frente, enquanto os rapazes foram as compras de mantimentos e acompanhar o Johnny até seu local de pouso. Johnny é o sétimo elemento, alegre, divertido e cheio de energia, que se juntou a nós nos 45 min do segundo tempo, nessa pedalada incrível.


Logo que nos instalamos, uma casinha charmosa e confortável em frente ao rio Loire, saímos para conhecer a pequena Chaumont-sur-Loire e o belíssimo castelo com seus jardins das sensações.


Château de Chaumont-sur-Loire


Adoramos!!! O castelo de Chaumont-sur-Loire não só é ricamente decorado por dentro, mas seus jardins são verdadeiras obras de arte ao ar livre, trabalhados por paisagistas, cenógrafos e arquitetos de vários lugares do mundo, tornando o passeio altamente empolgante.




A linda "Le nide des murmures" de Stéphane Guiran, com quatro mil geodes de quartzo,é apenas uma das diversas instalações de arte contemporânea a ser visitada no castelo






Depois de mergulhar nesse espaço repleto de arte e beleza, voltamos para o nosso ritual diário, cozinhar, tomar um vinho e confraternizar.

Mais que especial foi brindar o pôr do sol à beira do rio Loire!




Clos Lucé - Leonardo da Vinci

Acordamos animados para o nosso quinto dia pelo Loire!

Com empolgação seguimos rumo a Tours, com parada demorada em Amboise para conhecer a cidade e visitar o castelo de Leonardo da Vinci. Foram 19km de pedalada até o palácio Clos Lucé e uma leve ansiedade em entrar na intimidade desse gênio que eu já admirava desde meu primeiro contato com suas obras.



Clos Lucé - Leonardo da Vinci



Clos Lucé - Leonardo da Vinci

Clos Lucé foi a última residência de Da Vinci. François I, rei da França, era apaixonado pelas artes e fascinado pelos trabalhos de Leonardo, convidando-o assim para morar neste castelo de jardim vasto e vista privilegiada. François I e Leonardo da Vinci se tornaram grandes amigos e segundo a lenda, havia um corredor subterrâneo que ligava o grande castelo de Amboise a Clos Lucé, por onde o rei passava sem ser incomodado para suas longas conversas com Da Vinci. Foi possível ver o acesso desse corredor subterrâneo, porém estava interditado para visitação.



Clos Lucé - Leonardo da Vinci

Passamos horas imersos no espírito de Leonardo e sua genialidade, percorrendo seu castelo, sua história e seu jardim, onde fizemos nosso picnic à sombra de um salgueiro


Clos Lucé - Leonardo da Vinci

.

Antes de nos despedir de Amboise visitamos o centro histórico e seu entorno dominado pelo castelo de François I. Aos pés dessa imensa fortaleza, encontram-se movimentadas e charmosas lojinhas, restaurantes, empórios e sorveterias...

Não permanecemos muito mais em Amboise, pois uma pedalada de 25km até Tours ainda nos esperava.


Château de Amboise

Apesar do sol alto, o relógio já se mostrava bastante adiantado. Optamos então por adiantar as compras, pois como os supermercados na região do Vale do Loire fecham entre 18h e 20 h, não encontraríamos nenhum aberto chegando em Tours. Logo, com os alforjes recheados de mantimento, seguimos viagem. Não sem antes brindamos mais um dia especial com um delicioso e gelado espumante acompanhado de castanhas e queijos.




Chegamos por volta das 21h e no horizonte o sol ainda se fazia presente.

Nosso anfitrião Jêrome, um homem perto dos 45 anos, muito simpático, paciente e divertido, nos recebeu para entrega das chaves de seu confortável e bem decorado apartamento. Um belo achado para nossas três noites em Tours.



Acordei tranquila e sem pressa. O cheirinho do café vindo da cozinha, me trouxe a certeza que alguém já havia encontrado uma “boulangerie” por perto e preparado a mesa para o café da manhã com uma baguette e outras delicias, que só na Franca podemos saborear.

Bingo!



Antiga colônia gálica romana e capital francesa nos séculos XV e XVI, hoje conhecida como o jardim da França, Tours é uma linda cidade universitária com aproximadamente 137 000 habitantes.

Andar pelo centro histórico foi um passeio tranquilo e cheio de descobertas, admirando os antigos edifícios e casas em enxaimel que datam dos séculos XII a XV. Passar pela basílica de Saint Martin, o Museu de Belas-Artes, a catedral Saint Gatien e jardim botânico preencheram o dia, o coração e os olhos!!!







No início da noite, saímos para um passeio, na rua Colbert e redondezas, foi divertido encontrar tanta gente alegre curtindo o verão. A região tem muitos bares e restaurantes, há uma grande variedade na cozinha internacional... libanesa, asiática, turca, italiana, chinesa, espanhola e claro, a francesa. Eu recomendo!





Dois passeios incríveis preencheram nosso segundo dia de estadia em Tours. Pelos arredores pedalamos 18,8km até a pequena Villandry e seu castelo, famoso por seus jardins coloridos, figuras geométricas e uma grande diversidade de plantas medicinais, ervas aromáticas, flores, frutíferas e hortaliças.


Dali seguimos pedalando 11km até Azay-le-Rideau.






Château Azay-le Rideau



Esse lindo castelo com arquitetura renascentista francesa, construído no século XVI, numa ilha no rio Indre ( afluente do rio Loire), é um verdadeiro cenário de contos de fadas!

Valeu visitar seu interior, ficamos muito impressionados com manequins sem cabeça, vestidos com roupas da época, flutuando e dando vida ao ambiente.

Apesar de não ser um dos maiores castelos da região, o Azay-le-Rideau é uma obra-prima que faz valer a famosa observação de Honoré de Balzac “um diamante multifacetado colocado no Indre”










Château Azay-le Rideau



Saímos felizes e enebriados por tanta beleza!

Depois de um dia intenso com várias horas entre caminhadas e pedaladas, decidimos para voltar para casa de trem, numa confortável viagem de 50 min descansando e apreciando a paisagem.

Em todo vale do Loire, os trens possuem vagões para ciclistas, sem taxa extra para as bikes.

Pouco antes de chegarmos ao nosso apartamento, fomos as compras; Aliás ir ao supermercado sempre é um passeio agradável e delicioso….alho poró, cogumelos, queijos, vinhos...enfim mais um alegre jantar entre amigos, depois de um dia repleto de experiências.








No dia seguinte deixamos Tours já cheios de saudades, rumo ao nosso último pouso, Saumur. Esse trecho foi mais o longo, por isso adiantamos o caminho pegando um trem até Langeais.


Tão logo chegamos em Langeais, um castelo medieval com torres altas, fortes muralhas e ponte levadiça, foi se descortinando sobre os telhados das casas que precediam sua entrada. Essa imagem foi inesquecível!



Château de Langeais

O castelo de Langeais que foi originalmente construído como uma fortaleza, no século X, pelo conde de Anjou, Foulques Nerra, atravessou muitos períodos turbulentos, inclusive por várias vezes, durante a Guerra dos Cem Anos, tornou-se refúgio de grupos armados danificando-o bastante.

Então em 1465 Luís XI ordenou sua reconstrução, abaixo dos vestígios do antigo edifício.


Château de Langeais

Esse mesmo castelo, em 1491, também foi palco do marcante casamento de Carlos VIII e Ana da Bretanha, traçando assim os destinos da França e da Grã-Bretanha.



Sobre a cidade:

A graciosa Langeais encanta com seu acolhimento típico das cidades do vale do Loire.

Apesar do pequeno centro histórico, existem boas opções para comer um crepe, um doce, tomar um sorvete, um café, ou uma cerveja.






Depois de nos deleitar na história e beleza do local, seguimos viagem. Mas não antes de celebrarmos com o nosso tradicional e delicioso picnic, a beira de um lago.






Pedalamos um bom trecho sem sombra por uma estrada estreita, que de vez em quando dividíamos com os carros locais.

Depois de alguns quilômetros de sol forte, entramos na floresta, atenuando o calor. O caminho por entre as árvores foi muito agradável e fez com que a pedalada se tornasse ainda mais prazerosa.









O trajeto de bicicleta no Vale do loire é bem sinalizado, mas há de se prestar bem atenção: em certa encruzilhada desse último trecho, havia uma placa “torta” e exatamente aí nosso grupo se separou, os amigos que estavam um pouco adiantados seguiram reto sem que percebêssemos. Quando chegamos nessa encruzilhada, havia um anjo de bike consertando a tal placa - uma senhorinha que pedalava por ali, a 5km de sua casa. Com muito boa vontade nos orientou e ofertou 2 garrafas d'água para a viagem.


Esse foi o percurso mais difícil de todo o caminho, mas não o menos bonito. Passamos por aldeias adoráveis, castelos sedutores, antigas igrejas, arte e vinhedos.


Ainda em Tours consultamos o google maps sobre a distância entre Langeais e Saumur e apesar dos 47 km informado, já com bom condicionamento, resolvemos seguir pedalando. Fizemos questão de seguir as placas “de la loire à vélo”, porém tivemos uma surpresa, na chegada em Saumur, nosso GPS marcou 72km, o que justificou nossa exaustão.

Château de Saumur

Chegamos a Saumur quase no lusco-fusco recebendo de presente um espetáculo da natureza, no Loire o pôr do sol... e na direção do castelo o nascer da lua, visões que afloraram os mais belos sentimentos fazendo esquecer o cansaço.


Encontramos facilmente nosso apartamento, porém estávamos um pouco preocupados com nossos companheiros de viagem. Desde o início, essa foi a primeira vez que havíamos nos separamos durante a pedalada, mas felizmente não demorou muito para que nossos amigos chegassem... e com eles nosso jantar. Então, brindamos felizes com um delicioso vinho local!!!


Em Saumur se produz um dos melhores vinhos da França! Em sua maioria, são armazenados em cavernas escavadas, as famosas caves trogloditas, com condições naturais perfeitas para a qualidade de armazenamento dos vinhos

Saumur



Acordei com a sensação de que poderia dormir um pouco mais, porém o horário do nosso check-out era inflexível. Foi difícil arrumar tudo e tomar o café da manhã correndo para ainda dar tempo de fazer um pequeno tour em Saumur. Mas deu tudo certo! Fomos até a agência das bicicletas, que por sorte fica ao lado da estação, e guardamos nossas bagagens até o horário do nosso trem partir. Com duas horas livres, saímos pedalando.

Além do centro histórico, aproveitamos para visitar seu imponente castelo, que flertava conosco pela janela do nosso apartamento.





Saumur é também famosa pela sua antiga e renomada escola de cavalaria, Cadre Noir. Assim como toda a frança, tem uma grande tradição equestre. Em 2011, a UNESCO inscreveu a equitação tradicional francesa e o Cadre Noir de Saumur na herança cultural da humanidade.


Château de Saumur

Essa bela cidade teria muito mais a ser vivenciada, porém nosso tempo era curto, mesmo assim aproveitamos até o último minuto antes de pegar o trem para Nantes, onde iniciamos uma nova aventura.


Viajar pelo Vale do Loire foi uma experiência incrível, nossos filhos foram companheiros e pedalaram firmes, mesmo nos dias mais intensos e cansativos.

Cada estadia uma experiência, cada castelo um encantamento, cada cidade uma descoberta e em todo o caminho...vivências.


Quando ir

Fomos na primeira quinzena de julho, haviam muitos visitantes nos castelos porém não estavam lotados e as filas razoáveis. O tempo firme e apesar do calor, vários trechos arborizados. Cruzamos ciclistas por todo caminho, mas muito tranquilo e alguns pontos bem vazios.

É necessário levar água, lanchinho, boné ou chapéu, protetor solar e anorak .


Onde ficar

Você vai encontrar opções de hotéis, pousadas e Campings em todas as cidades do Vale do Loire.

Mas optamos por alugar casas e apartamentos pelo “Airbnb”, isso nos trouxe fatores positivos como conforto, uma boa economia não só na estadia como também na alimentação, pois preparávamos deliciosas refeições com ingredientes locais, além dos momentos de confraternização que foram especiais.

Segue o link do Airbnb https://www.airbnb.com.br/


Como chegar

Em Paris, pegue o trem na estação gare d'Austertitz, aproximadamente 2h de viagem até beaugency.

Você também pode fazer o Vale do Loire de carro, moto ou a cavalo. Mas a dica aqui é ir pedalando…


Bicicletas, onde alugar

Tivemos uma ótima experiência com a “Détours de Loire”

( eles também oferecem viagens auto-guiadas, porém só alugamos as bikes mesmo)

As bicicletas são ótimas, novas e leves. Nenhuma delas deu problema durante a viagem. Escolhemos o modelo híbrido, que são as mais simples. O serviço também foi ótimo. Adoramos!!!

Segue o link https://detoursdeloire.com/


Onde comer

Você encontrará muitas opções pelo caminho, mas a dica e proposta aqui são os supermarchés e boulangeries. Atenção aos horários, fecham entre 18h e 20h


Nossa alimentação foi simplesmente maravilhosa, tanto os picnics durante o dia, quanto à noite cozinhando, um momento de interação e relaxamento recomendável.

Nos supermercados você encontra produtos de alta qualidade, além de sucos, vinhos e cervejas, tudo com ótimos preços.


O que levar no alforje: Somente o necessário!

Como estávamos numa viagem longa, antes de iniciar o caminho, despachamos nossas bagagens extras, pelos correios, direto para nosso ponto de chegada, em Nantes. Pedalamos no verão, e isso ajudou bastante em relação ao volume. Lembre-se, você vai adorar não ter uma bagagem pesada e volumosa.


Então segue a lista:


2 bermudas cotton / lycra

1 calça legging

4 camisetas dry-fit ( seca rápido), ou se optar por tecidos de algodão, leve uma camiseta para cada dia ( eu me adapto melhor com o algodão)

1 camiseta manga longa

3 vestidinhos leves de verão para pós banho

1 anorak ( item super importante caso precise se proteger da chuva ou vento)

1 roupa leve e confortável para dormir

1 biquíni ou maiô ( caso resolva dar um mergulho no Loire, nos trechos que são permitidos )

1 chinelo

1 tênis / papete (ou similar) Eu preferi pedalar de tênis e levei uma papete bem delicada e confortável, que usava para os passeios a pé, depois do banho.

Chapéu ou boné

Óculos de sol

1 filtro solar

1 squeeze ( não se esqueça de mante-lo sempre cheio e se hidratar durante o caminho. Para abastece-lo, na França pode usar água da torneira, sem problemas)

1 hidratante (o clima muito seco no verão) e produtos de higiene pessoal ( que podem ser reabastecidos nos supermercados do caminho)

1 pochete ou bolsinha ( para deixar seu passaporte e dinheiro bem juntinhos de você o tempo todo)

Equipamentos necessários:

2 alforjes de bicicleta – 1 para suas roupas e o outro para comidas e outros itens

Se você vai alugar uma bike, geralmente acompanha um kit tapa-furo, mas se levar sua própria bicicleta, não se esqueça de levar esse kit e uma bomba de encher pneu, nunca se sabe se irá precisar.

Nesse caminho, o uso de capacete é obrigatório apenas para as crianças; para os adultos é opcional.


Castelos (preços em julho):

* Beaugency - adulto 9,00 eur - crianças de 5 a 15 anos: 5,50eur

* Chambord - adulto: 14,50 eur – menores de 25 anos não pagam

* Blois - adulto: 12,00eur - crianças de 7 a 17 anos: 6,50eur

* Cheverny - adulto: 12,00 eur – menores de 7 anos não pagam ( visita simples, acrescentando taxas para passeios de barco e outras atrações)

* Chaumont sur loire - adulto: 18,00eur - jovens de 12 a 18 anos: 12,00eur - crianças de 6 a 11 anos: 6,00eur - crianças menores de 6 anos não pagam

* Clos Lucé - adulto: 16,00eur - crianças de 7 a 18 anos: 11,50eur

* Villandry - adulto: 11,00eur - crianças de 7 a 18 anos: 7,00eur

* Azay le rideau - adulto: 10,50eur - menores de 25 anos não pagam

* Langeais - adulto: 10,50eur - jovens de 18 a 25 anos: 8,50eur - crianças de 10 a 17 anos: 5,20eur - crianças menores de

10 anos não pagam

* Saumur - adulto: 7,00eur – menores de 7 anos não pagam




Fotos : Guilherme de Magalhães Andrade

Contribuição fotográfica: Sergio Diniz e Liamhara Wendt

bottom of page